Confederação dos Cariris

Por Vanderlei Raimundo Faria
Tendo ocorrido no intervalo de tempo entre 1.683 e 1.713, mais precisamente em 30 anos de longa duração, a Confederação dos Cariris,  “Guerra dos Bárbaros” ou ainda nação Kiriri como também era conhecida, teve sua origem ocasionada pela revolta indígena, os quais não se sujeitavam aos homens brancos invasores (portugueses colonizadores do território brasileiro), sem apresentar resistências.

Hipoteticamente, os Cariris teriam migrado do norte, caminhando pelas regiões costeiras do litoral nordestino, em razão de sua cultura de natureza e características pré-histórica, a neolítica. Tal cultura tem como uma de suas marcas principais, a origem ou surgimento dos produtos ou objetos de materiais cerâmicos, bastante encontrados inclusive, em escavações realizadas por arqueólogos em solos latino-americanos e muito divulgados na alta mídia televisiva, dos dias atuais.

indios caririsTal civilização protagonista deste artigo, de cuja confederação trata-se, tinha seus membros espalhados, vivendo pelos imensos territórios localizados nas intermediações dos rios Parnaíba (do Estado do Piauí) e São Francisco (na Bahia), tendo sido encontrados pelos portugueses na região abrangente dos rios Itapicuru e Paraguaçu, e estando afixados na serra dos Cariris, serra de Barborema e nas regiões banhadas pelo rio Jaguaribe, onde o sol castigava impiedosamente devastando toda cobertura vegetariana do solo, proporcionando uma vida difícil aos seus moradores.

Capistrano de Abreu, em sua descrição acerca dos Cariris, os classifica como “valentes e de terrível resistência”. Segundo ele, possivelmente os mais persistentes encontrados pelos portugueses e com o significado de “tristonho, calado, silencioso” para o nome “Cariri”.

Tinham os Cariris como uma de suas principais atividades, a colheita do caju, fonte alimentícia e de produção para o “mocoró”, nome atribuído a um vinho específico oriundo da mesma. Eram divididos em seus povos, da seguinte maneira:

  • Os Cariús: Localizavam-se nos territórios entre os rios Bastões e Cariús, e principalmente na Serra do Pereiro;
  • Os Crateús: Habitavam nas localidades da bacia superior do rio Poti;
  • Os Cariris: Viviam nas regiões do estremo sul do Ceará, e eram de mesmo nome à sua confederação;
  • Os Inhamuns: Eram habitantes dos sertões Inhamuns.

Diante da adversa situação, e contrariadoras condições de desinteresses para os indígenas habitantes dos solos brasileiros até então, pelas imposições feitas aos mesmos pelos estrangeiros europeus, portugueses colonizadores das terras desta pátria, várias tribos se uniram para lutarem em defesa de suas liberdades e habitações territoriais. Em plenas regiões do sertão nordestino, entre os estados do Piauí, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte e Pernambuco, muitos índios reagiram atacando, matando muitas pessoas povoadoras destas regiões, e devastando destrutivamente suas propriedades e bens diversos. Isto ocorreu bem no final do século XVII, no ano de 1686, quando os Janduíns, índios que habitavam em Apodi, pagos de Açú e Mossoró se revoltaram coletivamente tomando tal iniciativa. Esta revolta coletiva se explodiu de forma bem mais intensa no Ceará, mais precisamente no vale do Jaguaribe, provocando em efeito dominó sua extensão e espalhamento pelas capitanias de Paraíba, Pernambuco e Piauí, causando envolvimento das nações de Canindés, Quichelôs, Tremembés, Icós, Acriús, Crateús, Anacés, Jenipapos, dentre outras.

Dois anos após o início dos confrontos, em 1688, foram requisitados pelo Frei Manoel da Ressurreição o então governador geral do Brasil, os paulistas de São Vicente e São Paulo, mais conhecidos historicamente como os bandeirantes, objetivando liquidar com as rebeliões indígenas. Mas a presença dos mesmos piorou a situação de imediato, provocando um aumento na revolta e nos grupos participantes inimigos dos colonizadores, como os Baiacús, Jenipapos, Tremembés, Anacés, Acriús, Jaguaribaras e Canindés, revelando-se como sendo os mais terríveis contra os portugueses, nas localidades do baixo Jaguaribe.

Um ataque à Vila do Aquirás, sede da Capitania do Ceará na ocasião foi executado, dizimando em torno de 200 pessoas, afugentando o restante da população para a foz do Riacho Pajeú, as quais buscaram proteção na Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção através de seus canhões, acontecimento este que resultou no enchimento de cadáveres da própria população fugitiva ao longo do caminho.

Anos de combate se passaram, até que João de Barros Braga, o coronel cujo temível regimento iniciou suas atividades, com cavalaria formada por homens instruídos acerca das táticas de guerras indígenas e do território por onde passavam, e equipados com vestiduras de couro da mesma forma que os vaqueiros.

indios colonizadores1

Subiram pelo vale do Jaguaribe, vale do Cariri até às extremidades do Piauí, promovendo em 1713, uma expedição guerreira que exterminou pelo caminho sem fazer qualquer acepção de pessoas no tocante à idade ou sexo, extinguindo todos os indígenas integrantes ou de alguma forma relacionados à Confederação dos Cariris, e deixando uma marca triste e violenta na História do Brasil.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Confederação_dos_Cariris
http://pt.wikipedia.org/wiki/Neolítico
http://www.clickeducacao.com.br/2006/conteudo/pagina/0,6313,POR-1386-11108-,00.html
http://blogdocrato.blogspot.com/2007/10/confederao-dos-cariris.html
http://www.rosanevolpatto.trd.br/indioscariris.html
http://www.aforteanosla.com.ar/Colaboraciones/brasil/articulos/baraldi%20imperio%20hitita%20brasil.htm
http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20090920143614AAoUxIl


Nenhum comentário sobre "Confederação dos Cariris". Clique aqui para adicionar um comentário.