Entradas

Por Cristine Delphino
Diferente das Bandeiras, as Entradas foram expedições apoiadas pelo governo de Portugal com a finalidade de expandir o território brasileiro.

Devido a crise do açúcar no século XVII, as expedições para o interior do Brasil aumentaram com o objetivo de encontrarem riquezas que pudessem suprir os problemas econômicos enfrentados. Essas entradas eram comuns, mas não representaram grande parte das expedições pelo sertão brasileiro, realizados pelas bandeiras. Existiam também outro intuito para a realização destas viagens: os administradores da coroa buscavam por índios que seriam escravizados.

Foram as entradas os primeiros responsáveis pelo extermínio em massa das tribos indígenas no Brasil. Os jesuítas e as missões que tanto se opunham a estas ações violentas dos portugueses acabavam por facilitar sem querer a escravização, já que índios catequizados e aglomerados em missões eram muito mais fáceis de serem presos. Espertos, os lusitanos também aproveitavam-se da da rivalidade entre as tribos, colocando uma contra a outra.

Uma das primeiras entradas data de 1531, organizada por Martim Afonso de Sousa em direção ao Peru. Ele partiu do litoral da Capitania de São Vicente, mas não conseguiu finalizá-la já que o seu grupo foi exterminado pelos índios.

Em 1554 aconteceu a chamada “Entrada de Porto Seguro” realizada pelo castelhano Francisco Bruzo de Espinhosa que partiu da Capitania da Bahia. A sua expedição desceu o litoral, cruzou o sertão da Bahia até alcançar o estado de Minas Gerais, onde foi fundado Espinosa.

Seis anos depois, Brás Cubas partiu de Santos (SP), seguiu pelo rio Paraíba chegando até a Serra da Mantiqueira, passando pelo vale do rio são Francisco até a barra do rio Paranamirim, retornando até o inicio da sua expedição pelo mesmo caminho.

Outras entradas conhecidas foram a de Martim de Carvalho, Sebastião Fernandes Tourinho e de Antônio Dias. Porém, as atividades por busca de ouro tornaram-se mais frequentes durante a União Ibérica. O governador-geral D. Francisco de Sousa buscou no litoral da Capitania da Bahia e do da Capitania do Espírito Santo, visando o título de Marquês das Minas, título prometido pelo soberano espanhol para quem encontrasse ouro nas terras brasileiras.

Em 1598, depois da descoberta de ouro na Capitania de São Vicente, D. Francisco foi pessoalmente para as minas de Jaraguá, Monserrate, Biriçoiaba e Bituruna, próximo a São Paulo. O ouro encontrado nas minas não foi de números significativos, porém as buscas por mais próximos da região aumentaram. O governador faleceu sem ter êxito em suas buscas por ouro.


Nenhum comentário sobre "Entradas". Clique aqui para adicionar um comentário.