Segundo Reinado

Por Tiago Ferreira da Silva
A pressão para que o jovem de 15 anos D. Pedro II ascendesse ao poder após o período regencial com o Golpe da Maioridade marcou o início do governo mais longevo do Brasil, o Segundo Reinado. Esse período durou de 23 de julho de 1840 até 15 de novembro de 1889.

-Francisco_de_Souza_Lobo_-_Retrato_de_Dom_Pedro_IIO Primeiro Reinado e o Governo Regencial foram repletos de rebeliões regionais por conta da repressão autoritária da Coroa e do conflito de interesses de algumas elites. Nesta época, criaram-se duas divisões ideológicas que teriam importante papel para a antecipação do Segundo Reinado: o Partido Liberal e o Partido Conservador.

Os liberais queriam maior participação política, enquanto os conservadores defendiam um governo centralizador para que não houvesse interferência nos interesses da classe dominante.

Com D. Pedro II no poder, as revoltas populares foram contidas graças à moderação política que garantia aos liberais uma força política mais influente e, ao mesmo tempo, não interferia nos interesses econômicos dos conservadores. Em 1847, foi instituído o Parlamentarismo, que dava poder ao primeiro-ministro, nomeado pelo imperador, de indicar as demais cadeiras dos ministérios.

Neste momento, o Brasil também passava por uma profícua transição econômica, pois o plantio de café estava se expandindo principalmente pelos estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro, o que estimulou a produção voltada para o comércio exterior. Esta crescente demanda trouxe força econômica (e consequentemente política) aos latifundiários e pequenos proprietários rurais.

Entretanto, o ‘boom’ do café era sustentado pela mão de obra escrava e o país se via em maus lençóis com a pressão dos ingleses para que a escravidão fosse abolida. Influenciado pelos latifundiários, D. Pedro II tentou contornar a situação exigindo o fim do tráfico negreiro. Para suprir a demanda, fez o possível para trazer imigrantes de outras nacionalidades com o objetivo de minimizar o serviço dos negros, mas a elite não queria abrir mão de um negócio tão vantajoso como o trabalho forçado para passar a pagar funcionários. Graças a esse conservadorismo, em 1888 o Brasil foi um dos últimos países a abolir a escravidão.

Apesar do cuidado em evitar revoltas populares, o Brasil sofreu um grande desgaste neste período, como a Guerra do Paraguai entre 1864 e 1870. O Paraguai estava crescendo em um ritmo muito acelerado e o ditador Francisco Solano López tentou expandir o território de seu país, ocupando tropas nas fronteiras da Argentina, Uruguai e do Brasil. Para garantir a segurança de suas terras, os três países se uniram para formar a Tríplice Aliança e invadiram o Paraguai para capturar Solano López. A articulada operação dizimou cerca de 80% da população paraguaia e acabou com sua economia industrial.

O próspero negócio do café crescia exponencialmente e novas elites de diferentes interesses foram surgindo. O desgaste com o longo período do Segundo Reinado formou grupos opositores alavancados pelas elites, como os abolicionistas e republicanos. A monarquia foi perdendo seu poder político, principalmente após os desentendimentos com a Igreja Católica e com o grande enfraquecimento do Exército após a Guerra do Paraguai.

A união destas duas instituições culminou com a Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889, pondo fim a 49 anos de Segundo Reinado sob domínio de D. Pedro II.

Fontes:
http://www.infoescola.com/historia/segundo-reinado/
http://educacao.uol.com.br/historia-brasil/ult1689u41.jhtm
http://www.brasilescola.com/historiab/segundo-reinado.htm


Nenhum comentário sobre "Segundo Reinado". Clique aqui para adicionar um comentário.