Criação da Petrobras

Por Cristine Delphino
As pesquisas pelo petróleo em solo brasileiro começaram no século XIX, sendo que as primeiras explorações com o aval do Estado datam de 1858, na área conhecida como Bacia do Camamu, nas proximidades de Ilhéus, Bahia. Em cinquenta anos, as regiões da Bahia, Maranhão e São Paulo, tiveram áreas exploradas em busca do recurso natural. As buscas não geraram muito retorno já que não eram realizadas com equipamentos adequados e nem com pessoas qualificadas, e eram caracterizadas por serem buscas de iniciativas particulares.

Entre os anos de 1892 e 1897, o fazendeiro Eugênio Ferreira de Camargo, conseguiu um aval do Estado para explorar a Bacia do Paraná, localizada na região de Bofete, São Paulo. Ele importou material e todo os equipamentos necessários para a exploração e perfurou o primeiro poço de petróleo no país, que chegou a 488 metros de profundidade. Os registros indicam que só foi encontrada água sulforosa, porém as pessoas presentes alegaram que foram recuperados dois barris de petróleo.

Em 1907, as explorações passaram a ser realizadas também por órgãos públicos, como o Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil (SMGB), o Departamento Nacional da Produção Mineral (DNPM) e o Governo do Estado de São Paulo. Porém, a primeira sondagem realizada por órgão público data somente em 1919.

A tendência a nacionalização deu seus primeiros passos na década de 30. No ano de 1938, as explorações por lei tinham que ser realizadas somente por brasileiros. Neste mesmo ano, foi criado o CNP, ou seja o Conselho Nacional do Petróleo, que tinha como objetivo avaliar os pedidos de pesquisa e as atividades extrativistas de exploração do petróleo. Um ano depois, o petróleo finalmente foi descoberto, em Lobato, na Bahia, por Oscar Cordeiro e Manoel Inácio Bastos. Dois anos mais tarde, o conhecido Campo de Candeias foi o primeiro a produzir petróleo em território brasileiro.

Já no final da década de 40, a opinião pública se dividia em dois diferentes pontos de vista político em relação a exploração. O primeiro grupo, chamado de “entreguistas” defendiam a abertura total do país ao capital estrangeiro, com o intuito de explorar o petróleo. Eles acreditavam que o Brasil não possuía nem capital e muito menos tecnologia, que os considerados países desenvolvidos dominavam. Já o outro grupo, os “nacionalistas” queriam o monopólio estatal do petróleo e mais ainda, propunham a criação de uma empresa nacional que fizesse a exploração.

Um ano depois, a União Nacional dos Estudantes (UNE), criou então a Comissão Estudantil de Defesa do Petróleo, devido a grande discussão originada em relação ao tema. Passou a ser empregado o lema “O petróleo é nosso”.

O fim desta disputa terminou exatamente no dia 3 de outubro de 1953, com a vitória dos nacionalistas. O então presidente, Getúlio Vargas, assinou a lei 2004, que permitiu a criação da Petrobras (Petróleo Brasileiro S.A) e o monopólio estatal de pesquisa, refino e transporte do petróleo.

Nesta época a produção nacional não passava de 1,5% do consumo interno. Devido a estes dados, a empresa intensificou a exploração e trabalhou para que os seus empregados tivessem uma maior qualificação e preparo. Desta forma, a Petrobras conseguiu manter um número constante das reservas. No ano de 1968, reservas foram encontradas também no mar, sendo que a primeira foi o campo de Guaricema, localizada no litoral de Sergipe.

Cinco anos depois, a Petrobras localizou o campo de Garoupa, na Bacia de Campos, litoral do Rio de Janeiro. Foi então, que na década de 80, a companhia dirigiu suas atenções para as regiões de águas profundas da Bacia de Campos, encontrando campos como Marlim, Albacora, Barracuda e Roncador.

Dez anos depois o monopólio passou a abranger também as atividades de importação e exportação.

Hoje, a Petrobras abastece quase todo o mercado brasileiro (que consome cerca de 1,7 milhões de barris por dia) por derivados de petróleo. É também mundialmente conhecida pela sua atuação em aplicação de tecnologia, desenvolvimento e produção em águas profundas. Além disso, envolve-se constantemente na implantação de projetos de usinas termelétricas e conta com mais de sete mil postos no Brasil, que atuam como distribuidores.

A empresa conta com outras subsidiárias, fazem parte a Petrobras Distribuidora, Transpetro, Gaspetro e Petroquisa.

Mais de 50 anos depois, a Petrobras colhe frutos, hoje é a maior empresa brasileira, ocupa o posto de 15ª companhia de petróleo do mundo e o 4º no ranking das maiores petrolíferas de capital aberto em todo o mundo. Sediada no Rio de Janeiro, é conhecida por ser uma empresa de capital aberto, que tem como acionista majoritário o Governo do Brasil e opera em 27 países.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Petrobras
http://pessoal.educacional.com.br/up/4770001/1306260/t1356.asp
http://www.comciencia.br/reportagens/petroleo/pet01.shtml


Nenhum comentário sobre "Criação da Petrobras". Clique aqui para adicionar um comentário.